sábado, 2 de julho de 2011

Répteis - Sistema Digestório

Imagem retirada do site Planetabio
      O sistema digestivo dos répteis modernos é semelhante em plano geral para a de todos os vertebrados superiores. Ele inclui a boca e suas glândulas salivares (em algumas espécies elas evoluirão em um par de glândulas de veneno), o esôfago, o estômago, e o intestino e termina em uma cloaca. 

      A maioria dos répteis é carnívora e têm aparelhos digestivos bastante simples. A digestão é mais lenta do que em mamíferos, refletindo em seu menor metabolismo e a sua incapacidade de dividir e mastigar os alimentos. Seu meio de regular a temperatura do corpo não requer muita energia, permitindo que grandes répteis, como crocodilos consigam viver a partir de uma única grande refeição por meses, digerindo lentamente.

      Animais endotérmicos ("sangue quente") despendem grande quantidade de energia para regular a temperatura corporal; isso explica por que um réptil ("sangue frio") sobrevive com menos de 10% das calorias requeridas por um mamífero de tamanho correspondente. Por exemplo, a uma temperatura ambiente de 20 ºC, uma pessoa em repouso despende entre 1.300 kcal e 1.800 kcal por dia. Nas mesmas condições, um jacaré com massa corporal equivalente despende 60 kcal por dia. 

      Enquanto répteis modernos são predominantemente carnívoros, durante o início da história dos répteis vários grupos produziram alguns herbívoros. Hoje, a tartarugas são os únicos predominantemente herbívoros do grupo dos répteis, mas várias linhas de agamás e iguanas têm evoluído para viver, total ou parcialmente de plantas. Répteis herbívoros enfrentam os mesmos problemas de mastigação como mamíferos herbívoros, mas, sem os dentes complexo de mamíferos. As tartarugas não tem dentes, em vez deles elas tem um bico córneo tanto na mandíbula superior quanto na inferior. Em muitas espécies principalmente as mais carnívoras, o bico córneo é afiado e forte.


Curiosidade



      Crocodilos e gaviais tem o hábito de ingerir até 5 kg de pedras, mas os jacarés não costumam fazer isso ou raramente. Porém, as pedras ingeridas podem ajudar na digestão, além de incorporar um pouco o peso facilitando o equilíbrio do animal dentro d’água. As pedras ajudam a esmagar os ossos de suas presas. O estômago deles é dividido em duas câmaras: o primeiro é descrito como tendo poderosos músculos, como a moela de aves e é aí que as pedras são encontradas. A outra cavidade é mais ácida que a de qualquer outro animal, pois ele pode digerir tudo o que a maioria de suas presas apresentam: ossos, cartilagens, partes mais densas...




Curiosidades


     As serpentes possuem, na cabeça, um osso chamado quadrado que permite um grande recuo da mandíbula para baixo, possibilitando a abertura da boca até um ângulo de 180 graus; por isso elas podem engolir presas maiores que a boca. Além disso, os ossos que formam os lados das mandíbulas não estão fundidos na frente, como no queixo humano; em vez disso estão ligados pelo tecido muscular, permitindo que os lados se separem e movam independentemente uns dos outros. Toda essa flexibilidade é útil quando a cobra encontra uma presa maior do que a própria cabeça.

      As cobras ficam entorpecidas, depois que comem, enquanto decorre o processo da digestão. A digestão é uma atividade intensa e, especialmente depois do consumo de grandes presas. Por causa disto, se a cobra for perturbada, depois de recentemente alimentada, irá provavelmente vomitar a presa para tentar fugir da ameaça. No entanto, quando não perturbada, o seu processo digestivo é altamente eficiente, dissolvendo e absorvendo tudo exceto o pelo e as garras, que são expelidos junto com o excesso de ácido úrico, esse processo pode demorar semanas dependendo da presa...




Fontes:

Um comentário:

bárbara,cintya e lizandra disse...

adoramos o site que ajudou eu e minhas amigas a fazer nossos trabalhos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...